ACNE

A acne é uma doença universal entre os adolescentes e adultos jovens, chegando a uma incidência de 80% a 90%, contudo, pode ser vista em neonatos, lactentes e crianças. O termo é derivado da palavra grega acne, que significa primavera da vida. A importância da acne na adolescência está no comprometimento da parte mais visível do corpo, a epiderme, às vezes deixando cicatrizes irreparáveis.
Dra. Juliana Bogado
Dra. Juliana Bogado

ACNE

A acne é um processo inflamatório que causa cravos ou comedões, pápulas, pústulas (espinhas), nódulos e cicatrizes. Inicia-se nas unidades pilossebáceas, que consistem em glândulas sebáceas, ductos e folículos pilosos rudimentares, encontrados na face, no tórax superior e na região superior das costas.

 Os folículos da epiderme, nos pacientes com acne, ficam esticados por causa da queratinização anômala, sob a influência de andrógenos.

Este quadro é muito prevalente e atinge um grande número de pessoas, tanto homens como mulheres, principalmente no período da puberdade.

A acne é responsável pela perda da autoestima e um comprometimento importante das alterações emocionais. A transição do período da infância para a idade adulta é muito estressante e complexa. Trata-se de um momento onde meninos e meninas estão se desenvolvendo, trocando as características infantis por outras de adultos e tentando desesperadamente ser aceito pelo grupo. 

Nos últimos anos, a discussão profissional e científica sobre as alterações psíquicas do adolescente com acne vem aumentando e se aprofundando. Em alguns casos, os pacientes com acne desenvolvem depressão em parte iniciada por esta baixa autoestima. Certos sinais de depressão, nesta fase, precisam ser reconhecidos pelos pais, como por exemplo: perda de apetite, letargia, variações de humor, problemas de comportamento, choro espontâneo, falta de sono, falta de indignação.

A acne tende a ocorrer na face e, em menor extensão, na porção superior das costas, no peito e nos ombros. Esta área corresponde à maior distribuição corpórea de unidades pilossebáceas. As extremidades distais são sempre poupadas. De acordo com a classificação da acne, que é feita inclusive para fins de tratamento, a lesão se divide em não-inflamatória e inflamatória (papulopustulosa, pustulosa e nódulo-cística).

Em casos graves, pode haver tentativa de suicídio. Lembrar que muitas vezes a depressão, que ocorre na acne, está relacionada ao tratamento com isotretinoína. Como vemos, a acne, devido a todas as mudanças do adolescente, é muito mais relacionada a depressão do que a medicação.

O diagnóstico da acne é clínico  e existem vários tratamentos para a acne, como retinoides tópicos, antibióticos tópicos e sistêmicos, isotretinoína e pílulas anticoncepcionais.

 

É importante procurar ajuda especializada do dermatologista para ser analisada toda a circunstância do caso e escolher o melhor tratamento. 

Postagem anterior
Próxima postagem
Estrias e Gravidez